Denise (MT), 24 de novembro de 2017 - 14:37

? ºC Denise - MT

Curiosidades

06/11/2017 17:28

Homem com pênis curvo tem risco maior de câncer de testículo

De acordo com estudo americano, a condição também está associada ao risco maior de melanoma e câncer no estômago

Os homens com o chamado pênis curvo, quando o órgão sexual masculino não é totalmente simétrico, provavelmente sofram de uma condição conhecida como Peyronie.

Estima-se que a condição acometa 7% dos homens. Até então, não se sabia que o problema poderia estar associado a um risco maior de desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o de testículo e até melanoma.

Após anos de estudos, pesquisadores do Texas realizaram análises genéticas de pai e filho com o problema, e descobriram que eles compartilhavam um conjunto de genes associados a tais doenças. Os resultados mostraram que os portadores da Peyronie têm um risco 40% maior de desenvolver câncer de testículo, 29% maior de  melanoma, e 40% maior de câncer de estômago.

“Encontramos mutações nesses tipos de genes especificamente propensos ao desenvolvimento destas outras doenças”, disse o médico britânico Pastuszak, que liderou o estudo.  “Embora sejam resultados significativos nos ciclos de vida sexual e reprodutiva desses pacientes, são necessários monitoramentos constantes e novos trabalhos para entender o que de fato  desenvolveria estas patologias, em comparação ao restante da população”, completou.

Os resultados foram apresentados em congresso da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, após uma revisão de dados de 1,5 milhão de participantes, realizado pela Baylor College, em Houston, no Texas, Estados Unidos.

Ligações genéticas

Pastuszak também afirmou que a doença de Peyronie tem ligação com a doença de Dupuytren — de predisposição genética, quando acontece enrijecimento progressivo do tecido fibroso das palmas das mãos, provocando a contração dos dedos que pode, eventualmente, ficarem em posição flexionada — e a doença de Ledderhose, quando há espessamento de tecido nos pés.

“Embora ainda precisemos validar algumas dessas descobertas e traduzi-las do laboratório para a população clínica de fato, esses dados fornecem um forte vínculo tanto clinicamente quanto de nível genético entre ambas as doenças, e a relação com tumores malignos em homens”, explicou.

 

Fonte Reportermt


Click Denise

Todos os direitos reservados
É proibido a cópia total ou parcial do conteúdo, e a reprodução comercial sem autorização.
Denise- MT

Contato

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo